Artigos

Dias, horas e minutos

Temos um ano inteiro à nossa frente. Trezentos e sessenta e seis dias (este é um ano bissexto), oito mil, setecentos e oitenta e quatro horas, quinhentos e vinte e sete mil e quarenta minutos para vivermos nossas experiências de trabalho, estudos, relacionamentos, lazer e o que quer que faça parte de nossos planos. Bem, na verdade, um pouco desse tempo já se foi.

Nos primeiros dias do ano, ao jogar o calendário de 2011 no lixo, um sentimento de que precisava urgentemente conseguir outro, agora de 2012, tomou conta de mim. É impressionante como estamos ligados no tempo e como tudo gira em torna dele. Tanto que o carregamos em nosso pulso esquerdo, com números e ponteiros, para ter a sensação de controle e domínio, o que, obviamente, nem sempre temos. O máximo que conseguimos é acompanhar seu ritmo enquanto se esgota como água no ralo do banheiro.

A Bíblia nos ensina a remirmos o nosso tempo. Isto quer dizer aproveitar bem as oportunidades que aparecem, não desperdiçando esse bem precioso que recebemos de Deus. É um presente maravilhoso que nós que estamos vivos ganhamos do Pai e agora nos cabe usarmos de maneira inteligente cada segundo dele.

Para que isto seja possível, é preciso que prestemos bem atenção em nosso dia a dia, pois oportunidades sempre estão em nosso caminho. De fazer o bem, de ajudarmos alguém, de louvarmos a Deus, de sermos agradecidos. De darmos um sorriso, sermos exemplos, testemunharmos do amor de Deus em nós. De lermos um bom livro, de nos abraçarmos, de intercedermos pelos necessitados e abençoarmos o próximo.

Às vezes estamos tão ocupados com tantas coisas que simplesmente não percebemos. Somos distraídos. Ou mal focados. Nossa atenção é monopolizada pelos nossos próprios interesses e necessidades. O que Deus espera de nós fica em segundo plano. Seus propósitos ficam prejudicados e erramos o alvo.

Assim os dias, horas e minutos se perdem. Quando vemos, o ano novo virou velho, acabou-se o que era doce e continuamos os mesmos. Não crescemos como discípulos de Cristo, não fizemos diferença, nossa luz ficou escondida debaixo da mesa, o sal perdeu o sabor.

Precisamos este ano nos tornar vigilantes do tempo. Aguçarmos nossos sentidos para percebermos a vontade de Deus para nós. O que importa para Ele deveria tomar mais a dianteira de nossos pensamentos e a prioridade de nossas iniciativas. Nossa energia pode ser canalizada para o que realmente importa, isso mostra sabedoria.

Se não cuidarmos, a coisa vai como folha no vento. Somos levados na correnteza do mundo que vive longe de Deus, nos tornamos parte da multidão.

Os dias são maus. Naturalmente maus. Mas se prestarmos atenção e formos diligentes, podemos transformá-los em dias bons. Com a bênção de Deus e a assessoria do Espírito Santo, podemos ser agentes da Sua graça e expressão do Seu amor.

Os dias, horas e minutos deste ano não serão desperdiçados mas bem aproveitadas oportunidades de sermos como Ele. E quando jogarmos o calendário de 2012 no lixo no começo do próximo ano, o faremos com o sentimento de dever cumprido, a satisfação de ter agradado a Deus.


Ed Chagas