Artigos

A beleza da Igreja local

A igreja de Cristo que se forma no capítulo 2 de Atos dos Apóstolos constitui-se numa verdadeira comunidade local, bela e formosa! Eis que, como reais seguidores de Cristo, amavam uns aos outros com um profundo e evidente amor! Em novidade de vida, viviam, riam, choravam, oravam, cantavam e serviam juntos em um autêntico companheirismo cristão!

Perseveravam na doutrina dos apóstolos, que incluía tudo o que Jesus ensinava, sendo de grande importância o discipulado, a pregação do evangelho do reino de Deus, o Senhorio de Cristo e o propósito eterno de Deus – ser uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus.

Perseveravam na comunhão, ou seja, numa correta relação de cada crente com Deus, e numa firme relação de unidade e companheirismo entre os irmãos.

A igreja perseverava no partir do pão, forma primitiva da Ceia do Senhor; Cristo Jesus é o pão espiritual, do qual necessitava mais do que nunca. O partir do pão era realizado em vários lares, no primeiro dia da semana, em comemoração ao dia da ressurreição do Senhor Jesus.

Eles perseveravam nas orações. Mui provavelmente os cristãos primitivos observavam períodos especiais para suas orações diárias, acostumados como judeus devotos: três vezes ao dia, às 9 hs da manhã, ao meio-dia, e às 6hs da tarde, no templo. Mantinham também a oração nos lares. É certo que suas vidas se caracterizavam pela devoção e pela oração perseverante.

Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. Aqueles que tinham mais partilhavam voluntariamente com os que tinham menos, de forma que a desigualdade sócio-econômica se amenizava.

O capítulo 2 de Atos nos faz saber que aquela comunidade de discípulos, aquela igreja local, aquela comunidade de autênticos irmãos, oferecia aos incrédulos uma tão linda e atrativa visão de vida, que os deixava perplexos! Era tão arrojada, tão criativa, tão dinâmica, que os não crentes não podiam resistir a ela, eis que a igreja contava com a simpatia de todo o povo, de maneira que o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos.

Observando atentamente as características da igreja local de Jerusalém, não há como nos impressionar com a sua visão de beleza; e ficarmos cheios de esperança de que a igreja, hoje, possa chegar também ao mesmo padrão de beleza.

Se o Senhor Jesus está ataviando a Sua noiva – para apresentá-la a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito – certamente haveremos de chegar a ter a mesma formosura da igreja do primeiro século! Amem?!

Abílio Chagas